Andrew robles 280706

Salvar minha empresa: Empreendedorismo

O jogo dos 7 erros do capital de giro: aprenda a cuidar do caixa da sua empresa

By Ana Gama on 21 de Julho de 20176 minutos de leitura

Para que você aprenda mais sobre o seu capital de giro, criamos um jogo dos sete erros. Se você evitar esses deslizes, pode ter certeza: seu negócio vai ficar saudável por muito tempo.

Erro 1: não saber qual é o seu capital de giro

via GIPHY

O capital de giro muda o rumo da sua empresa. Mas o que é esse capital? É o dinheiro que você precisa para manter seu negócio funcionando. É com ele que você paga salários, aluguel, compras... Sempre que você precisar, é essa reserva que vai resolver sua vida.

Calcular o capital de giro não é difícil. Para um período de um mês, por exemplo, coloque na ponta do lápis o valor de tudo que vai trazer dinheiro para sua empresa: o que você tem em caixa hoje, as contas que vai receber, estoque, uma aplicação que vai render e outros.

Separou esse valor? Agora você retira, com uma continha simples de menos, as despesas que terá nesse mesmo período. Aqui entram gastos com fornecedores, contas da empresa, empréstimos...

O valor que sobra é o seu capital de giro. É o dinheiro que continua na sua empresa mesmo depois de pagar as despesas. Quanto maior for esse valor, menor a chance de você entrar no vermelho.

Erro 2: confundir capital de giro com fluxo de caixa

via GIPHY

Eles se complementam, mas não são a mesma coisa.

Capital de giro, como dissemos, é uma reserva. O ideal é que ele consiga manter a sua empresa funcionando, mesmo que o fluxo de caixa esteja negativo.

O fluxo de caixa, em uma conta de padeiro, é o quanto você recebeu menos quanto você gastou num período ou mês.

Se seu fluxo de caixa está positivo, não quer dizer que você tenha um capital de giro saudável.

E se seu fluxo de caixa está negativo, mas você tem um capital de giro saudável, não precisa se preocupar enquanto o seu capital de giro estiver protegendo as contas de sua empresa. Um ajuda o outro, mas o capital de giro é mais importante no longo prazo.

Erro 3: deixar a torneira da liquidez secar

via GIPHY

Uma boa maneira de entender a liquidez é a partir das contas de casa.

Vamos supor que você precisa pagar um conserto no carro e não tem dinheiro suficiente na conta corrente. Você vai buscar esse dinheiro em algum outro lugar, não?

Quando você tem Poupança ou algum investimento parecido, consegue tirar o dinheiro que precisa na mesma hora. É como líquido, é “fácil de deslizar”. A “liquidez” pode ser pensada dessa forma.

Agora, se você só tiver, por exemplo, uma moto para vender e conseguir um dinheiro, pode ser bem mais difícil. Nesse caso, a Poupança tem mais liquidez do que a moto.

O mesmo acontece com empresas. Esse caixa extra para qualquer tipo de gasto, esperado ou inesperado, é a liquidez.

Sendo mais claro ainda, o capital de giro é a sua liquidez. Certifique-se de que sempre saia água da sua torneira empresarial.

Erro 4: esquecer que os clientes têm mais prazo que você

tilt brum izettle
“Parcela em quantas vezes?” é uma pergunta muito comum. Faça as contas! ;)

Parcelar o valor de seu produto atrai mais clientes, ainda mais em tempos de crise. Se seus concorrentes vendem a prazo, é legal oferecer condições parecidas. Como o que a gente quer é vender, pode ser uma boa ideia anunciar uma promoção no melhor estilo “o gerente ficou louco! Só hoje, tudo em 12x sem juros!”

Mas toda empresa que parcela acaba financiando seus clientes. É simples: se seu cliente está pagando em parcelas, você está está “completando” mês a mês o valor que ele ainda não pagou, até que todas as parcelas sejam pagas. Já ouviu que “tempo é dinheiro”? Pois é...

No caso, você está pagando pelo tempo de seu cliente. Esse financiamento precisa ser contabilizado no capital de giro. O erro acontece quando você dá mais prazo e/ou parcelas para o seu cliente do que os seus fornecedores dão a você. Por exemplo, você vende seus produto em 6 vezes, mas seu fornecedor de bebidas só aceita em 3. Isso pode acabar com seu capital de giro em pouco tempo.

Erro 5: não colocar a inadimplência na conta

via GIPHY

Lembra daquele ditado que diz para você não contar com o ovo que a galinha ainda não botou? Infelizmente, nem todos os clientes serão bons pagadores.

E a única maneira de se defender é não dar como certo um pagamento que ainda não aconteceu. Então não se comprometa usando um dinheiro que ainda não está na sua mão. Se você trocar o certo pelo duvidoso, seu capital de giro vai embora. Fique de olho!

Erro 6: deixar o estoque desorganizado

Um estoque cheio de produtos e mercadorias pode dar uma falsa sensação de que você está prestes a ganhar muito dinheiro. Mas, assim como no item 5, não é certeza que todos aqueles produtos serão vendidos. Certo?

Por outro lado, um estoque muito vazio pode não dar conta da demanda. Ou seja, você pode deixar muito cliente frustrado com um “tem, mas acabou”.

Quando seu estoque está em equilíbrio você também cuida do capital de giro, já que terá mais oportunidade de vendas e mais dinheiro retornando para o caixa.

Por falar nisso, você já usa a ferramenta gratuita de organização de estoque que você encontra no aplicativo iZettle? Faça o download no celular ou tablet e aproveite!

Erro 7: não ter uma máquina de cartão

Hoje, abrir mão da maquininha de cartão não é mais uma opção. Basta pensar em você quando vai fazer compras: quantas vezes você usa dinheiro? Quantas vezes você paga no crédito ou no débito?

Agora, o que é realmente mais saudável para o seu capital de giro é um Maquinão iZettle que paga suas vendas em 2 dias úteis sem taxas adicionais de antecipação. ;)

Ana gama Ana Gama

Tagged under

Empreendedorismo, Gerenciamento e Negócio
Default br